Banco Daycoval

Relações com Investidores

Glossário

ABRASCA:
Associação Brasileira de Companhias Abertas. É uma associação civil, sem fins lucrativos, que reúne as empresas legalmente registradas como companhias abertas.

Ação:
É um título de renda variável, emitido por companhias ou sociedades anônimas, representando a menor fração do capital da empresa que a emitiu.

Acionista:
Quem possui ações de uma sociedade anônima.

Acionista majoritário ou acionista controlador:
Aquele que detém uma quantidade tal de ações com direito a voto que lhe permite manter o controle acionário de uma empresa.

Acionista Minoritário:
Possuidor de ações de uma empresa sem, no entanto, ter seu controle acionário ou participar do grupo controlador.

Ações em Tesouraria:
Ações da companhia mantidas na própria tesouraria da companhia.

Acordo da Basiléia:
Conjunto de regras bancárias divulgado pelo Comitê de Supervisão Bancária da Basileia em 1988, com o objetivo de dar maior solidez ao sistema financeiro mundial. Sua principal característica é o requerimento de um percentual mínimo resultante da divisão do capital social de uma instituição financeira por seus respectivos ativos ponderados pelo risco a eles inerentes.

APIMEC:
Sigla para Associação dos Analistas e Profissionais de Investimento do Mercado de Capitais. A Apimec Nacional foi criada em junho de 1988, com a finalidade de congregar todas as Apimec's Regionais - São Paulo, Rio de Janeiro, Minas Gerais, Nordeste, Sul e Distrito Federal.

Assembléia Geral Extraordinária (AGE):
Reunião dos acionistas de uma empresa em caráter extraordinário, cuja realização não é prevista nos estatutos da companhia. Seu objetivo é o de analisar e deliberar sobre acontecimentos imprevistos ou atender a circunstâncias de ocorrência eventual.

Assembléia Geral Ordinária (AGO):
Convocada obrigatoriamente pela diretoria de uma sociedade anônima para verificação dos resultados, leitura, discussão e votação dos relatórios de diretoria e eleição do conselho fiscal da diretoria. Deve ser realizada até quatro meses após o encerramento do exercício social.

Ativo:
Bens, direitos e valores pertencentes a uma empresa ou pessoa. Ex: imóveis, dinheiro aplicado, ações, joias etc. No mercado financeiro é comumente utilizado o sinônimo equivalente em inglês - asset.

Ativo circulante:
São os ativos mais líquidos da empresa, ou seja, existe grande facilidade e rapidez em converterem-se esses bens ou direitos, em dinheiro. Ex.: duplicatas a receber. Na linguagem técnica da contabilidade, é definido como os bens e direitos a realizar num prazo inferior a 365 dias da data do encerramento do exercício social.

Beta:
Medida de risco de um ativo, utilizado para medir a sensibilidade de um ativo em relação a determinado índice.

BNDES:
Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico Social. Empresa Pública cujas atividades são: estudar os problemas de desenvolvimento econômico global e examinar projetos específicos, visando impulsionar o setor econômico do país, fortalecer o setor empresarial nacional, atenuar os desequilíbrios regionais, promover o desenvolvimento integrado das atividades agrícolas, industriais e de serviços, e promover o crescimento e a diversificação das exportações.

Bolsa de Valores:
Associação civil sem fins lucrativos onde se negociam títulos e valores mobiliários. Seus principais objetivos são: manter local ou sistema de negociação eletrônico adequado para que ocorram as transações de compra e venda de títulos e valores mobiliários; preservar elevados padrões éticos nas negociações; fazer a divulgação das operações realizadas com rapidez e detalhes.

Bonificação:
Em virtude de incorporação de reservas e lucros, através da distribuição gratuita de novas ações em número proporcional à quantia já possuída pelos acionistas. Como o preço em Bolsa é reajustado na mesma proporção, o patrimônio da empresa não se altera.

Bônus / Eurobônus:
São títulos que os bancos emitem através de instituições no exterior, que serão utilizados como "funding" para operações de empréstimos no Brasil. Esses títulos têm prazos de três a oito anos, taxas fixas ou flutuantes e com ágio ou deságio, dependendo da demanda do mercado.

B3:
A bolsa brasileira congrega em uma só Instituição as antigas Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa), Bolsa de Mercadorias & Futuros (BM&F) e a Cetip, reunindo em um só sistema os mercados de negociações de valores mobiliários e seus derivativos, no mercado formal e de balcão; os contratos futuros de commodities, moeda e juros; além da central de registro das negociações com títulos públicos e privados.

BR GAAP:
Princípios contábeis aceitos no Brasil.

CAGR:
Taxa composta de crescimento anual.

Câmara de Arbitragem:
É um fórum capacitado para resolver conflitos dentro do sistema financeiro, sendo um importante passo para tornar mais transparente a regulamentação do mercado e aumentar a confiança dentro do sistema financeiro.

Capital aberto:
Característica de uma sociedade anônima em que o capital é dividido, em forma de ações, entre vários acionistas, além dos que representam o grupo de controle. Só as empresas de capital aberto, registradas na CVM, podem negociar suas ações em bolsa de valores.

Capital de risco:
: É chamada assim a parte do capital que está investida em modelos de risco, ou seja, onde há a possibilidade de perdas e também de ganhos elevados.

Captação:
Operação que tem por objetivo captar recursos, através de emissão de valores mobiliários ou da realização de operação de crédito, como tomador.

Carteira:
Conjunto de títulos, valores mobiliários e contratos de um investidor ou fundo de investimento.

Cash Yield:
Indicador que mede o retorno financeiro anual de uma ação.

Circuit Breaker:
: Normativo adotado pelas bolsas de valores no qual toda vez que o índice apresente queda de dez pontos percentuais, o pregão é imediatamente interrompido.

Clube de investimentos:
Grupo de pessoas físicas (máximo de cento e cinqüenta), que aplica recursos de uma carteira diversificada de ações administrada por uma instituição financeira autorizada.

Comissão de Valores Mobiliários - CVM:
: Órgão federal que disciplina e fiscaliza o mercado de valores mobiliários. Foi criada através da Lei (6385/76) para disciplinar o funcionamento do mercado de valores mobiliários e a atuação dos participantes (companhias abertas, intermediários financeiros e investidores). Tem poderes para disciplinar, normatizar e fiscalizar a atuação dos diversos integrantes do mercado.

Comitê de Política Monetária (Copom):
Comitê do Banco Central que se reúne periodicamente para tomar decisões referentes às taxas de juros, entre outras.

Conselho Fiscal:
Fiscaliza a situação financeira da empresa. É constituído no mínimo por três membros efetivos e três suplentes não ligados à empresa.

Debêntures Conversíveis:
Aquelas que permitem ao portador serem convertidas em ações de acordo com as condições predeterminadas.

Debêntures Simples:
Tipo de debênture que proporciona ao aplicador somente uma remuneração sobre o valor de investimento.

Default:
É o não cumprimento de obrigações contratuais. Quando o devedor assume que não poderá pagar a dívida nas condições e na data estabelecida, ou, ainda, que não poderá cumprir determinadas cláusulas estabelecidas em contrato

Demonstrações financeiras:
Demonstrativos contábeis e demais informações apresentadas pelas empresas, que relatam a situação econômica e financeira de uma companhia. Essas demonstrações são apresentadas em valores nominais e apresentam, para comparação, os resultados do exercício anterior.

Derivativos:
São operações financeiras realizadas através dos mercados futuros de índice, câmbio, juros e de opções, para obter rentabilidades diferenciadas.

Disclosure:
É a divulgação de informações. É a transparência que deve permear todos os atos da administração de uma companhia, que não tratem de estratégia – portanto confidenciais – e medida requerida ou imposta pelos órgãos oficiais reguladores dos mercados de capitais, que obrigam a companhia a divulgar todas as informações relevantes, positivas ou negativas, que possam influenciar numa decisão de investimento naquela companhia.

Dividendo:
Parcela dos ganhos de uma empresa que é distribuída aos acionistas. Pode ser um dividendo cumulativo (que, caso não seja pago em um exercício, se transfere para outro) integral ou pró-rata (que atinge apenas as ações emitidas no transcorrer do exercício e que se tornam, portanto, proporcionais dentro do exercício ao que for distribuído).

Dólar Comercial:
Valor do dólar usado como parâmetro para as operações de importação e exportação bem como grande parte das operações financeiras, tais como: investimentos no país, remessa de dividendos, entrada de capital, pagamento de juros etc.

Dólar Flutuante:
Valor do dólar usado como parâmetro para as operações de compra e venda de moeda estrangeira destinadas ao turismo e algumas operações definidas pelo Banco Central, tais como: execução de garantias internacionais, swaps, movimento de contas de não residentes etc.

DRI - Diretor de Relações com Investidores:
É um membro da diretoria das companhias abertas designado para estabelecer e manter relação com o público investidor e acionistas da empresa. É responsável pela divulgação de informações relevantes ao mercado, além de comunicados, esclarecimentos e atendimento a acionistas.

Estatuto Social:
Conjunto de normas e regras em que se fixam os princípios institucionais ou orgânicos de uma coletividade ou corporação, pública ou particular.

Export Notes:
Título com remuneração vinculada à moeda estrangeira, emitido no mercado doméstico por um exportador, que possui um contrato com um importador de fornecimento futuro de mercadorias. É um produto financeiro que permite às empresas se posicionarem em face de diferentes expectativas de mercado, protegendo ou garantindo resultados na arbitragem de indexadores financeiros.

Fluxo de Caixa:
Define a movimentação de entradas e saídas do numerário no caixa de uma empresa. Também intitula um quadro demonstrativo e cronológico de previsão dos ingressos e saídas dos recursos de caixa num período futuro (dias, meses, anos) que constitui instrumento de fundamental importância para programação financeira de uma empresa em operação ou para a implantação de um projeto. Neste último caso, a análise do fluxo de caixa permite a definição do ponto de equilíbrio do empreendimento.

Free Float:
Quantidade de ações de uma empresa disponível para negociação em mercados organizados. Comumente denomina-se “Ações em Circulação”, que são aquelas que estão fora do “Grupo de Controle” da empresa e não estejam atreladas a nenhum “Acordo de Acionistas”.

Governança Corporativa:
São as práticas e os relacionamentos entre os Acionistas/Cotistas, Conselho de Administração, Diretoria, Auditoria Independente e Conselho Fiscal com a finalidade de otimizar o desempenho da empresa e facilitar o acesso ao capital. A expressão é designada para abranger os assuntos relativos ao poder de controle e direção de uma empresa, bem como as diferentes formas e esferas de seu exercício e os diversos interesses que, de alguma forma, estão ligados à vida das sociedades comerciais.

Hedge:
É a administração do risco, ou o ato de tomar uma posição em futuros oposta à posição no mercado à vista, para minimizar o risco de perdas financeiras em uma alteração de preços adversa. É semelhante a um seguro, que visa resguardar as empresas das crises internacionais.

Home broker:
Canal de relacionamento entre os investidores e as sociedades corretoras, para negociações no mercado acionário, permitindo o envio de ordens de compra e venda de ações pela internet e possibilitando acesso às cotações e acompanhamento de carteiras de ações, entre vários outros recursos.

IBOVESPA:
Indicador da lucratividade média de uma carteira teórica, formada pelas ações mais negociadas de forma representativa nos pregões da B3. O Ibovespa é revisto a cada 4 meses e serve como indicador do comportamento do mercado, aproximando sua composição o máximo possível da configuração real das operações realizadas no mercado à vista da bolsa brasileira.

IFRS:
International Financial Reporting Standards, ou padrão contábil aceito internacionalmente.

IGC - Índice de Governança Corporativa:
O Índice de Governança Corporativa avalia o desempenho de uma carteira teórica composta por ações de empresas que foram admitidas no Nível 1 de Governança Corporativa da BOVESPA - Bolsa de Valores de São Paulo. A composição desta carteira será revista quadrimestralmente e o seu cálculo considera os preços do mercado a vista praticados.

Índice Brasil 50 - IBrX50:
É um índice que mede o retorno total de uma carteira teórica composta por 50 companhias abertas, selecionadas entre as mais negociadas na Bolsa de Valores de São Paulo, em termos de número de negócios e volume financeiro. O IBrX-50 tem as mesmas características do IBrX - Índice Brasil/Bovespa, que é composto por 100 ações selecionadas entre as mais negociadas na Bolsa de Valores de São Paulo.

Índice Brasil/Bovespa - IBX:
É um Índice de preços que mede o retorno de uma carteira teórica, composta por ações de 100 companhias abertas, selecionadas entre as mais negociadas na Bolsa de Valores de São Paulo, em termos de número de negócios e volume financeiro. As ações que compõem o índice são ponderadas pelo respectivo número de ações que estão disponíveis para negociação no mercado. O Índice Brasil é considerado um índice que avalia o retorno total das ações componentes de sua carteira.

Índice de Eficiência:
Indicador das despesas operacionais sobre as receitas.

IOF:
Imposto sobre Operações Financeiras. Para os fundos de renda fixa com liquidez diária, foi criada pela Receita Federal uma tabela para a cobrança do IOF regressivo, que incide sobre os rendimentos brutos obtidos até o 29° dia da aplicação.

IPO:
Sigla para Initial Public Offering. Expressão em inglês que significa primeira oferta de valores mobiliários ao público, que pode ser primária, quando os recursos convergem integralmente para o caixa da companhia, ou secundária, quando são destinados a remunerar o capital investido pelos sócios até aquele momento, realizado por uma empresa de capital aberto que atenda a todas as determinações legais.

ITAG:
Índice de Ações com Tag Along Diferenciado Índice calculado e divulgado pela B3, com objetivo de medir o desempenho de uma carteira teórica composta por ações de empresas que ofereçam melhores condições aos acionistas minoritários, no caso de alienação do controle.

Letra do Banco Central - LBC:
Título pós-fixado que tem sua rentabilidade ligada à taxa over (de um dia). Se o BACEN aumentar ou diminuir a taxa de juros, absorverá imediatamente o novo patamar de juros.

Letra do Tesouro Nacional - LTN:
Emitido pelo Tesouro Nacional, é um papel prefixado, onde você sabe exatamente o valor de resgate.

Letra Financeira do Tesouro Nacional - LFT:
ítulo emitido pelo Tesouro Nacional, é um papel pós-fixado que tem sua rentabilidade ligada à taxa over (de um dia). Se o BACEN aumentar ou diminuir a taxa de juros, absorverá imediatamente o novo patamar de juros.

Lucro Líquido:
É o saldo que resulta após a dedução de IR, das despesas financeiras e das diversas participações sobre o Lucro Bruto.

Lucro líquido por ação:
Lucro líquido de uma empresa em um determinado período, dividido pelo número existente de ações.

Lucro por Ação - LPA:
Lucro Líquido dividido pelo número de ações da empresa. Em inglês é conhecido por EPS, ou "Earnings Per Share".

Mercado de balcão:
Mercado em que as operações não são registradas nos mercados organizados (bolsas). Abrangem não apenas negociações com ações como também com outros ativos, inclusive derivativos. Na medida em que atendem a especificações determinadas pelo cliente -- não prevista nas negociações em bolsa, -- as operações realizadas no mercado de balcão também são chamadas "sob medida", "tailor made" ou customizadas.

Mercado primário:
Onde são negociadas pela primeira vez ações, títulos e valores mobiliários, provenientes de novas emissões. As empresas recorrem ao mercado primário para completar os recursos de que necessitam, visando ao financiamento de seus projetos de expansão ou seu emprego em outras atividades.

Mercado Secundário:
Onde ocorre a negociação de títulos já adquiridos no mercado primário. A B3 é o maior mercado secundário de ações do Brasil.

Nível 1 de Governança Corporativa:
É um segmento especial de negociação da B3, destinado à listagem de empresas cujos administradores e controladores se comprometem, voluntariamente, a cumprir exigências adicionais às existentes na legislação. Objetiva a melhoria na prestação de informações ao mercado de capitais e incentivar as boas práticas de Governança Corporativa. Dentre vários compromissos exigidos para uma empresa ser classificada como Nível 1, destaca-se: manutenção em circulação de uma parcela mínima de 25% do capital em ações; realização de ofertas públicas de colocação de ações; acréscimo nas informações prestadas trimestralmente; cumprimento de regras de transparência; divulgação de acordos de acionistas e programas de programa de opções; disposição de um calendário anual de eventos corporativos.

Nível 2 de Governança Corporativa:
Para a classificação como Companhia Nível 2, além da aceitação das obrigações contidas no Nível 1, a empresa e seus controladores adotam um conjunto bem mais amplo de práticas de governança e de direitos adicionais para os acionistas minoritários. Resumidamente, os critérios de listagem de Companhias Nível 2 são: Mandato unificado de, no máximo, 2 anos para todo o Conselho de Administração e composição de, no mínimo cinco membros; Disponibilização de balanço anual seguindo as normas do US GAAP ou IFRS; Extensão para todos os acionistas detentores de ações ordinárias das mesmas condições obtidas pelos controladores quando da venda do controle da companhia e de, no mínimo, 80% deste valor para os detentores de ações preferenciais; Direito de voto às ações preferenciais em algumas matérias, como transformação, incorporação, cisão e fusão da companhia e aprovação de contratos entre a companhia e empresas do mesmo grupo; Obrigatoriedade de realização de uma oferta de compra de todas as ações em circulação, pelo valor econômico, nas hipóteses de fechamento de capital ou cancelamento do contrato de nível 2.

Novo Mercado:
Segmento de listagem destinado à negociação de ações emitidas por empresas que se comprometem, voluntariamente, com a adoção de práticas de governança corporativa e transparência na divulgação de informações, adicionais em relação ao que é exigido pela legislação.

NYSE - (New York Stock Exchange):
Bolsa de Valores de Nova York. A maior e mais importante bolsa de valores do mundo. Também conhecida como Big Board, é auto-regulada por um conselho de 20 membros que acompanha e regula as atividades comerciais de mais de 3.000 empresas, norte-americanas e estrangeiras.

Operação Estruturada:
Combinação de dois ou mais instrumentos financeiros (por exemplo, uma operação compromissada + um Swap), com o objetivo de aproveitar oportunidades de mercado ou buscar proteção contra riscos financeiros.

Oscilação:
Variação do preço de um determinado ativo em um certo período de tempo.

P/L - Índice Preço-Lucro:
É o resultado da divisão do valor de mercado da empresa pelo seu lucro líquido. Indica o número de anos que a empresa levará para proporcionar um lucro líquido no mesmo montante que o investidor pagaria por suas ações, se a empresa mantivesse sua atual lucratividade.

P/VPA:
Lê-se Preço sobre Valor Patrimonial e em inglês é conhecido como P/BV (Price to Book Value). Este indicador é calculado dividindo-se o Valor de Mercado da empresa por seu Patrimônio Líquido, ou então, a cotação da ação pelo Valor Patrimonial da Ação (VPA). Um P/VPA de 80% indica que a empresa vale em bolsa 80% do valor de seu Patrimônio Líquido; analogamente, uma empresa com P/VPA de 140% tem seu valor de mercado 40% superior ao seu Patrimônio Líquido. Assim, P/VPA's menores indicam empresas com cotações mais depreciadas.

Passivo:
Conjunto de valores que designa o total das dívidas e obrigações de uma empresa. No caso de empresas em geral inclui empréstimos bancários, contas a pagar, etc. Já no caso de bancos, é representado por operações de captação, como depósitos à vista e a prazo, fundos e recursos referentes a emissões. No balanço, é subdividido em passivo circulante, exigível a longo prazo e patrimônio líquido.

Patrimônio:
Conjunto dos bens e direitos de uma pessoa ou empresa, que têm valor econômico.

PIB - Produto Interno Bruto:
É o conjunto de todos os bens e serviços produzidos em um país ou uma região, durante um determinado período.

Portfólio:
Uma carteira de ativos mantidos pelo gestor dos fundos que pode incluir ações, títulos, etc.

Rating:
Expressão em inglês que designa a classificação de risco de crédito, que pode ser de uma companhia, um banco ou um país, conferida por agências especializadas.

Redesconto:
É um instrumento de política monetária utilizado pelo Banco Central para regularizar o sistema de liquidez do sistema bancário.

Renda Fixa:
São aplicações financeiras com prazos e rendimentos pré-conhecidos.

Risco de Crédito:
É o risco de que o emissor do título (Debênture, Nota Promissória, Commercial Paper, etc) possa não honrar o principal e/ou o pagamento de juros.

Risco de Liquidez de Mercado:
Em função das condições econômicas (normalmente durante crises) os mercados de ativos podem passar por períodos em que haja uma limitação da sua liquidez, ou seja não há compradores e/ou vendedores para alguns desses ativos, dificultando a execução de ordens ou impactando os preços dos ativos negociados.

Risco de Mercado:
Este tipo de risco está associado à possibilidade de desvalorização ou de valorização de um ativo, devido a alterações políticas e econômicas gerais tanto nacionais como internacionais ou em decorrência da situação individual de uma empresa ou banco.

Risco Variação Cambial ou de Moeda:
Este tipo de risco está associado à oscilação da taxa de câmbio, principalmente no dólar. Estas oscilações podem valorizar ou desvalorizar as cotas de fundos, dependendo da estratégia assumida.

ROAA - Return on Average Assets:
Sigla em inglês para Retorno sobre AtivosRetorno sobre o Ativo Médio. É uma das medidas de rentabilidade de uma companhia, obtida pela divisão do lucro líquido pelo ativo total, no caso do ROA, e pelo ativo médio, no caso do ROAA. Ele apresenta o lucro que foi gerado pelo capital investido. O ROA de companhias abertas podem variar substancialmente, dependendo do setor em que atuam.

ROE/ROAE - Return on Equity/Return on Average Equity:
Sigla em inglês para Retorno sobre o Patrimônio Líquido/ Retorno sobre o Patrimônio Líquido Médio. É uma das medidas de rentabilidade de uma companhia, obtida pela divisão do lucro líquido pelo patrimônio líquido, no caso do ROE, e pelo patrimônio líquido médio, no caso do ROAE. Representa o lucro que a companhia está sendo capaz de gerar utilizando os recursos de seus acionistas. Investidores costumam procurar companhias com ROEs altos e crescentes.

SEC - Securities and Exchange Commission:
A Securities and Exchange Commission é um órgão que regulamenta, controla e supervisiona o mercado americano, com o objetivo primário de proteger o investidor e manter a integridade do mercado de títulos e valores mobiliários dos EUA.

SELIC:
Sistema Especial de Liquidação e Custódia. Serviço prestado pelo Banco Central e ANDIMA- Associação Nacional das Instituições do Mercado Aberto, utilizado por bancos e corretoras para o registro de operações envolvendo títulos públicos. As instituições afiliadas são conectadas ao computador central do SELIC através de uma rede de terminais. São registradas no sistema todas ao operações envolvendo títulos públicos federais, estaduais e municipais. Criada em novembro de 1979.

SISBACEN:
Sistema de Informações do Banco Central. É o instrumento de comunicação computadorizado do Banco Central com as instituições financeiras, no qual recebem informações do Bacen e enviam dados sobre suas operações financeiras e cambiais.

Spread:
Diferença entre as taxas de captação e aplicação. Essa diferença pode variar em função da liquidez do tomador, volume dos empréstimos e o prazo da operação para resgate.

Subscrição:
Quando uma empresa lança novas ações no mercado, para que possa obter os recursos necessários para o investimento. Pode ser Particular ou Pública.

Swap:
É um derivativo financeiro que tem por finalidade promover a troca (simultaneamente) de ativos financeiros entre os agentes econômicos envolvidos, por exemplo: uma empresa possui um título indexado pela variação do dólar comercial e deseja trocar a variação deste título por uma determinada taxa pré-fixada sem se desfazer do mesmo. Neste caso ela poderá usar um swap de taxas para realizar tal operação. O swap costuma ser utilizado para antecipar recebimentos em divisas estrangeiras.

TAC:
Taxa de Abertura de Crédito.

Tag Along:
O Tag Along, no Brasil, é previsto na Lei 10.303/01 (Lei das S.A.s), e assegura a extensão das condições oferecidas aos acionistas controladores, no caso de venda do controle da companhia, aos outros acionistas detentores de ações.

Taxa Básica de Juros - Taxa SELIC:
Taxa referencial de juros básicos praticados pelo governo, divulgada pelo Comitê de Política Monetária (Copom).

Taxa de Administração:
Remuneração paga ao administrador pela prestação de serviços de gestão e administração de um fundo de investimento.

Taxa de Custódia:
Taxa cobrada por uma corretora de valores mobiliários pela manutenção das ações de seus clientes sob sua responsabilidade.

Taxa Pós-fixada:
Taxa de remuneração a ser paga em virtude de aplicação em determinado ativo, que será divulgada apenas no vencimento da aplicação.

Taxa Pré-fixada:
Taxa de remuneração estabelecida com antecedência, a ser paga em virtude da aplicação em determinado ativo.

Taxa Selic:
É a taxa média de juros para operações interbancárias de 1 dia (overnight) registradas no Selic (Sistema Especial de Liquidação e Custódia de títulos públicos).

Títulos Públicos:
São papéis vendidos pelos governos ao mercado financeiro para obter recursos. Rendem juros a partir do deságio com que são vendidos inicialmente.

TJLP:
Taxa de Juros de Longo Prazo, expressa na forma percentual ao ano, determinada pelo Conselho Monetário Nacional(CMN).

TR - Taxa Referencial:
Taxa calculada e divulgada pelo BACEN, a partir da aplicação de um "redutor" sobre a Taxa Básica Financeira (TBF). Para cada TBF calculada, o BACEN divulga uma TR correspondente. A TR é a base de remuneração dos depósitos em Caderneta de Poupança e dos financiamentos concedidos através do Sistema Financeiro de Habitação (SFH).

Underwriting:
Instituição financeira que realiza operações de lançamento de ações mediante subscrição pública, para o qual a empresa encarrega um intermediário financeiro, que será responsável por sua colocação no mercado.

US GAAP:
United States Generally Accepted Accounting Principles. São as normas de contabilidade conhecidas e utilizadas nos Estados Unidos, e que devem ser seguidas por todas as empresas de outros países que quiserem negociar suas ações e/ou títulos em bolsas de valores dos EUA.

Valor de Mercado (em inglês, Market Capitalization):
É o valor da empresa em bolsa. Ou seja, hipoteticamente quanto um investidor gastaria para comprar a totalidade das ações da empresa pela cotação atual no mercado. Para obter-se este valor, multiplicamos a cotação de cada tipo de ação da empresa pelo respectivo número de ações em circulação.

Valor de Mercado da Ação:
Valor mais atualizado de uma ação negociada em Bolsa de Valores, podendo ser superior ou inferior ao seu valor patrimonial.

Valor Patrimonial (VPA):
O Valor Patrimonial da ação é o valor do Patrimônio Líquido da empresa dividido por seu número de ações. Uma empresa que possua 5 milhões de ações e Patrimônio Líquido de R$ 10 milhões teria um VPA de R$ 2.

VaR (Value at Risk):
É a perda potencial máxima esperada de uma carteira de investimento, com uma dada probabilidade em um determinado horizonte de tempo.